Afinal de contas, o tomate é uma fruta ou verdura?

Afinal de contas, o tomate é uma fruta ou verdura?

Olhe para o tomate: Simples. Verdadeiro. Apetitoso. Os tomates são um simples vegetal usual nas hortas de jardim e um produto imprescindível para cozinheiros e chefs de cozinha profissionais. Os tomates são utilizados como apetitosas inclusões em tudo, de condimentos a cachorro-quente, e quem é capaz de suportar a uma guarnição enriquecida de tomates? Escondido debaixo da pele resplandecente dos tomates, mas, há uma polêmica de vários anos. Entre a sua carne resistente, suco doce e um time de sementes, seria esse delicioso vegetal de jardim uma verdura ou um fruto?

A distinção é capaz de achar-se nos caroços

sementes-tomate O que define a diferença entre uma fruta e um legume é capaz de parecer simples. De forma muito simplificada, os frutos possuem sementes e as verduras não. Essa definição trabalha perfeitamente bem caso você seja botânico, porém não tão bem caso você seja um cozinheiro-chefe profissional (ou alguma pessoa que cozinhe ou come, no que se refere ao tema). Falando botanicamente, o tomate cai na categoria “de fruto” em função das suas sementes. Os pêssegos, a melancia, os morangos, são todos os bons exemplos de frutas. Depois desta significação, claramente, os pepinos, as azeitonas e o pimentão, junto aos tomates, também seriam frutas. Certo? Errado!
Enquanto muitos tipos de vegetais seriam capazes de ser considerados frutas usando o ponto de vista da botânica, poucos indivíduos que ingerem estes vegetais seguem estas mesmas regras, na maior parte das vezes, pois estes “frutos” são de natureza salgada, e não doce. Ao invés disto, boa parte dos compradores trata tomates e abacates como se fossem verduras, espalhados pela salada.
Contudo, até a definição de vegetais é subjetiva: ela não se trata de uma concepção especificamente científica. Ela se enquadra no âmbito da culinária. Os frutos gostosos e que adequam com alimentos salgados são, em geral, considerados verduras e costumam ser comidos com folhas, raízes, bulbos e sementes – como alface, nabos, aspargo, couve-flor, alho, ervilhas e abóboras.
Já quando o assunto é nutrição, não há diversas diferenças entre fruta e verdura. Todos eles possuem uma grande quantidade de fibras, assim como uma farta multiplicidade de proteínas e minerais.

Resolução chegou na Justiça

Mesmo assim, nos Estados Unidos não foi tranquilo solucionar a questão polêmica que gira em torno da classificação desse gostoso vegetal. À certa altura, o debate até foi parar no Supremo Tribunal. No ano de 1893, durante um caso nomeado como Nix v. Hedden, o tribunal ouviu argumentos insistindo que os tomates deveriam ser tributados como vegetais em vez de frutas (naquele tempo, os vegetais tinham uma taxa de imposto mais alta que as frutas). No final, o tribunal decidiu por consenso que um tomate importado poderia ser tarifado como um vegetal, apesar de que, botanicamente falando, seja tido como uma fruta.